Bytes

Há um grande mistério no meu cérebro chamado “memória”.

A forma como a minha memória funciona, como se processam as minhas recordações ou porque é que me lembro de cor de letras da Daniela Mercury que não oiço desde 1998 e não me lembro do nome do livro que acabei de ler a semana passada, são matérias que me ultrapassam ao serviço de um qualquer plano divino, tenho a certeza.

No entanto há momentos, frames de vida real, que no instante em que os vivo sei que não me vou esquecer.

Seja um slow dançado ao nascer do sol em Santa Apolónia, seja a expressão de uma empregada de mesa no Upper East Side.

This entry was posted in Uncategorized. Bookmark the permalink.

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s